27 de setembro de 2011

CANÁRIOS DE PORTE DE "A a Z" BORDER


País de origem: Escócia

O Border tem na construção do seu nome oficial um aspecto bastante curioso; era reclamado pela Escócia como Common Canary, e como Cumberland Fancy pela Inglaterra, onde era criado em Cumberland, o nome, Border, significa fronteira.

O nome do canário foi definitivamente fixado por volta de 1980 como  Border Fancy Canary.

Pensa-se que originariamente o Border teve a sua origem em alguns cruzamentos de canários comuns acabando por ter também sangue de Yorkshire e Norwich que entre outras coisas ajudaram a dar origem ao seu comprimento e volume.

Como todas as raças, o Border, sofreu ao longo da sua existência diversas alterações até chegar à ave que hoje conhecemos com o actual standard em vigor aprovado em 2005 ou 2006.

Nota: Esta pequena introdução, (não vinculativa) tem como base uma pequena pesquisa feita pela Internet suportada na leitura de vários textos.

O Standard atual do Canário Border, aprovado pela C.O.M. é o seguinte:



CORPO
Em forma de ovo com o pólo mais grosso junto à cabeça.
Visto de Perfil - Bem cheio e bem arredondado (não obeso), com as curvaturas do peito e do dorso em harmonia entre sei (quase simétricas) e perfeitamente regulares desde a desmarcação do pescoço até à raiz da cauda.
Visto de cima - Com ombros largos e proporcionais à profundidade do corpo. Mostrando-se sempre uma ave bem arredondada vista de qualquer ângulo.
Evitar fendas ou sulcos na plumagem do peito.
Pontuação: 15.

COR
Rica, sedosa e pura, tão uniforme quanto possível, mas com extrema profundidade e brilho, tanto nos intensivos como nos nevados.
Interdita qualquer pigmentação artificial.
Pontuação: 15.

POSIÇÃO E COMPORTAMENTO
Movimento jovial e desenvolto, com cabeça bem levantada e posição altiva, formando 60º com a horizontal.
Pontuação: 15.

CABEÇA E PESCOÇO
Cabeça – Perfeitamente esférica e destacada quando vista de qualquer ângulo e proporcional ao tamanho do corpo, bico curto, olhos bem visíveis, colocados ao nível do prolongamento da linha imaginária que separa as mandíbulas e ligeiramente à frente do ponto central da cabeça.
Pescoço – Inserido no conjunto da cabeça, com a nuca profunda e bem reentrante marcando claramente a separação entre a cabeça e o pescoço.
Pontuação: 10.

ASAS
Compactas, bem aderentes ao corpo e cobrindo o dorso, com as remiges primárias e secundárias sempre unidas, terminado juntas sobre a raiz da cauda.
Pontuação: 10.

PLUMAGEM
Cerrada, firme e de ótima qualidade, macia, sedosa, brilhante e sem quaisquer frisados, rugosidades ou sulcos no peito ou nuca.
Pontuação: 10.

CONDIÇÃO GERAL
Em boas condições de saúde e limpeza.
Pontuação: 10.

PATAS
Suficientemente longas e com as coxas visíveis, em harmonia com o tamanho do corpo, revelando uma posição altiva e desenvolta.
Dedos e unhas proporcionados, perfeitos e limpos.
Pontuação: 5.

CAUDA
Cerrada e estreita, com a raiz bem cheia e arredondada, proporcional e no alinhamento do corpo.
Pontuação: 5.

TAMANHO
14,6 cm do topo da cabeça à ponta da cauda, em proporção e harmonia com as restantes características da ave.
Pontuação: 5.

Gaiola de exposição: Tipo Border com dois poleiros de 14mm, distanciados seis arames.

24 de setembro de 2011

REPRODUTORES 2012

Apesar de haver ainda um ou outro canário a largar uma ou outra pena a muda decorreu sem problemas de maior, sendo chegada a altura de começar a pensar nas poucas exposições em que tenciono participar com a meia dúzia de passarinhos que selecionei e, penso, terão alguma qualidade para esse fim.

Os canários arlequim português que tinha para dispensar e que no início deste mês comecei a entregar esgotaram, felizmente, rapidamente. Com a mesma rapidez precavi-me, atempadamente, com a aquisição de quatro novos exemplares, dois dos quais já em meu poder e os outros dois, embora já minha propriedade, virão depois de participarem em algumas exposições. Estes novos exemplares serão para para utilizar como reprodutores cruzando-os com meus canários que selecionei para reprodução em 2012. 

Todos nós criadores lutamos com a dificuldade de escoar passarinhos com mais de dois anos eu, francamente, ainda não entendi bem o porquê de as pessoas terem alguma relutância em adquirir esses exemplares, porque um canário do ano não é garante de bom reprodutor e se for um canário das últimas posturas pode nem estar apto a criar no ano seguinte. Vem isto a propósito das duas primeiras fotos de reprodutores que publico, reprodutores estes (ambos de 2008) que cheguei a colocar à venda mas desisti dessa decisão em virtude da qualidade dos mesmos decidindo criar mais um ano com eles.

Como crio sempre só com doze casais irei publicar cerca de trinta fotos isto é: vinte e quatro dos reprodutores e as restantes dos suplentes. As fotos serão publicadas de forma aleatória não correspondendo necessariamente, como no caso presente, ao casal que vai ser utilizado para procriar.




17 de setembro de 2011

CANÁRIOS DE PORTE DE "A a Z" ARLEQUIM PORTUGUÊS

País de origem: Portugal

O canário Arlequim Português passou ser, a nível internacional, considerado como raça em 18 de Janeiro de 2010 neste dia, em Matosinhos/Portugal, obteve o seu terceiro reconhecimento internacional.

O seu nascimento remonta aos anos 70/80 devido ao empenho e visão de um criador, Armando Moreno, que junto com um grupo de outros criadores começaram, ano após anos, a selecionar os exemplares que levariam à existência do atual canário Arlequim Português.

Pelo meio ficaram sucessivas alterações ao projeto da novel raça que originariamente tinha a obrigatoriedade do fator vermelho, coloração artificial obrigatória, presença simultânea de seis cores e do mosaico, passando, na atualidade, a ser multicolorida, equilibradamente variegada com fator vermelho e coloração artificial obrigatória, aumentou o tamanho, melhorou a posição e o corpo (item mais importante e por isso com a maior pontuação, 20 pontos) que deixou de ter a robustez típica e acentuadamente arredondada dos canários de cor, evoluindo para um canário elegante e altivo. 


O Standard atual do Canário Arlequim Português, aprovado pela C.O.M. é o seguinte:

CORPO (forma), PEITO ASAS
Corpo - Alongado, esguio e harmonioso.
Peito - Ligeira e uniformemente arredondado.
Dorso - Reto, na mesma linha da cauda.
Asas - Longas, bem aderentes ao corpo e sem se cruzarem, nem descaírem, terminando unidas sobre a raiz da cauda.
Pontuação: 20.

POUPA, CABEÇA, PESCOÇO
Poupa (no Arlequim Poupa) – Em forma de tricórnio (2 ângulos atrás e 1 virtual à frente) irradiando de um ponto central no cimo da calota, e descaindo aderente e simetricamente, sem cobrir olhos e bico.
Cabeça (no Arlequim Par) – Cabeça estreita e alongada mais larga atrás do que à frente.
Bico – Forte e proporcionado.
Olhos – Vivos e bem visíveis.
Pescoço – Bem delineado e harmonioso, destacando claramente a cabeça do corpo.
Pontuação: 15.

TAMANHO
16 cm.
Pontuação: 15.

COR
Multicolor e equilibradamente variegada com factor vermelho.
Coloração artificial obrigatória.
Pontuação: 10.

PLUMAGEM
Lisa, compacta, sedosa, brilhante e bem aderente ao corpo.
Pontuação: 10.

POSIÇÃO MOVIMENTO
Posição erguida (55º) e altiva.
Corpo bem elevado e cabeça levantada.
Pontuação: 10.

PATAS
Fortes, longas e ligeiramente fletidas, preferencialmente variegadas.
Coxas bem visíveis.
Pontuação: 10.

CAUDA
Longa, estreita e ligeiramente bifurcada na extremidade, preferencialmente variegada.
Pontuação: 5.

CONDIÇÃO GERAL
Saúde e higiene perfeitas.
Vivacidade e boa adaptação à gaiola de exposição.
Pontuação: 5.

Gaiola de exposição: Tipo Canário de Cor.